news

COVID19 em África: como responde Sant'Egidio ao coronavírus no campo de refugiados de Dzaleka, no Malawi

12 Junho 2020 - MALAWI

Africacoronavirus
MalawiDreamRefugeesMIGRANTSCovid-19

O empenho dos jovens refugiados, a ajuda do centro DREAM situado nas proximidades, a produção de máscaras

Compartilhe Em

Em termos globais, a maioria dos refugiados está alojada em campos de refugiados nos países em desenvolvimento e o Malawi, um dos países mais pobres do mundo, não é excepção.


Vida no Campo de Refugiados de Dzaleka: um tempo suspenso

A poucos quilómetros da capital, Lilongwe, existe o Campo de Refugiados de Dzaleka gerido pelo ACNUR, a sua abertura remonta a mais de 20 anos atrás, foi concebido e construído para acolher os exilados provocados pelo conflito moçambicano.
Após a paz em Moçambique, assinada em Roma em 1992, continuou a acolher refugiados do Burundi, Uganda, Ruanda, Eritreia e Etiópia. Nos últimos anos, tem-se registado um aumento do número de pessoas que fogem da República Democrática do Congo e chegam a Dzaleka.
O número de refugiados cresceu exponencialmente, atingindo o incrível número de 47 000 pessoas que vivem num espaço concebido para um máximo de 10.000.

A vida no campo é um tempo suspenso
, não se pode partir sem uma razão válida e é necessária uma autorização por escrito. Vive-se o momento na esperança de "ganhar o bilhete de ouro": ser escolhidos para o reassentamento com a oportunidade de começar uma nova vida num outro país, o Canadá, os Estados Unidos ou a Austrália. Uma espera que pode durar muitos anos.

Com a propagação da Covid-19, a situação é, se possível, ainda mais crítica. No campo é quase impossível manter distâncias de segurança e aplicar as medidas de precaução necessárias. Até à data, foram confirmados 4 casos positivos.
A UNCHR, em resposta aos riscos da pandemia, está a considerar deslocar alguns dos refugiados para um novo campo para tentar descongestionar a densidade das presenças.


A proximidade da Comunidade de Sant'Egidio com os refugiados de Dzaleka

Em Dzaleka a Comunidade de Sant’Egidio é formada por um grupo de jovens de diferentes áreas geográficas que tinham conhecido Sant'Egidio nos seus países de origem.
Encontraram-se no campo com o desejo de continuar a reunir-se para rezar e ajudar os pobres: as crianças com a Escola da Paz, os idosos que recebem visitas e ajudam a reconstruir as suas casas e as pessoas com deficiência.

O Centro DREAM em Mtengo wa Ntengho, para o tratamento do HIV e das doenças não transmissíveis, está localizado a poucos quilómetros do campo.

Desde o início de Março de 2020, DREAM tem estado na vanguarda da luta contra a epidemia através da educação sanitária e da divulgação de informações para evitar a propagação do vírus. No centro DREAM foi criada uma equipa de activistas e voluntários para a produção de máscaras e o primeiro lote realizado foi doado a alguns hóspedes do acampamento para que estes pudessem pôr imediatamente em prática as principais medidas preventivas.
Juntamente com as máscaras, foi doado tecido e assim também no campo de Dzaleka teve início a produção e distribuição das máscaras, especialmente para os idosos.
Um pequeno e simples gesto que recebeu apreciação e gratidão como um sinal visível de não ser esquecidos.
 



COVID19 em África: como responde Sant'Egidio ao coronavírus no campo de refugiados de Dzaleka, no Malawi
COVID19 em África: como responde Sant'Egidio ao coronavírus no campo de refugiados de Dzaleka, no Malawi
COVID19 em África: como responde Sant'Egidio ao coronavírus no campo de refugiados de Dzaleka, no Malawi