news

A memória não acaba. Muitos em Roma recordando 16 de Outubro de 1943 para dizer "Nunca mais!" à discriminação, ao racismo e ao anti-semitismo

17 Outubro 2021 - ROMA, ITÁLIA

16ottobre1943

Compartilhe Em

No domingo 17 de Outubro, a Comunidade de Sant'Egidio e a Comunidade judaica de Roma celebraram às portas do Gueto a memória da deportação dos judeus romanos, na cerimónia "Não há futuro sem memória".

Largo 16 ottobre 1943 em Roma foi mais uma vez preenchido com cartazes com os nomes dos campos de concentração: jovens, idosos, novos europeus tomaram parte. Diferentes gerações e culturas, juntamente com a Comunidade de Sant'Egidio e a Comunidade Judaica de Roma, recordam a deportação dos judeus romanos durante a ocupação nazi. Muitos deles vieram para dizer "nunca mais" e para serem cidadãos da mesma cidade, com o "sólido valor da memória", como disse Ruth Dureghello, presidente da Comunidade Judaica de Roma, abrindo os discursos do palco. Recordando o Encontro de Oração pela Paz realizado há alguns dias no Coliseu, promovido por Sant'Egidio, que reuniu autoridades religiosas para falar de paz, Dureghello salientou que só juntos é possível levar a cabo a missão da memória, porque homens e mulheres são interdependentes.
Andrea Riccardi, fundador da Comunidade de Sant'Egidio, salientou que o anti-fascismo e o anti-totalitarismo "não são posições partidárias ou facciosas, mas clareza, amor à liberdade, respeito pela vida e democracia, uma escolha de civilização". Ele citou os escritos de Pirro Scavizzi, um romano, capelão nos comboios na Polónia e Ucrânia, que ele próprio encontrou no Arquivo do Vaticano: palavras que exprimem o horror da eliminação dos judeus, preciosas como todos os testemunhos, agora que as últimas testemunhas da Shoah estão a desaparecer. "Transmitir a memória é a imensa responsabilidade perante o futuro".
A admoestação do rabino chefe de Roma, Riccardo Di Segni, é para lembrar e estudar, para compreender que 16 de Outubro de 1943 tem as suas origens em longos anos de discriminação que levaram a que os judeus fossem considerados inimigos do Estado. A deportação, ordenada pelos ocupantes nazis, foi seguida de uma terrível caça ao homem, às mãos dos próprios cidadãos.
A memória serve "para dar testemunho da aliança de Deus com toda a humanidade, para viver como irmãos e irmãs, uma única família na nossa diversidade", disse D. Ambrogio Spreafico, citando a sabedoria judaica expressa nas palavras de Rav Lau que, deportado quando criança, encontrou a sua "vingança" no amor à vida. "Viva e deixe viver, esta é a minha vingança", disse ele num comovente discurso em 2009, em Auschwitz, durante um encontro promovido pela Comunidade. "A memória dá vida; mesmo a memória do mal como a desta noite pode ser um apelo à vida", concluiu ele.
Nicola Zingaretti, Presidente da Região do Lácio, alertou para a urgência de combater o anti-semitismo e de colher da memória uma lição indispensável para o presente: aquelas ideias que, para se afirmarem, devem negar aos outros o direito à existência, negam a coexistência civil. Também este ano, a praça estava lotada. Este é um sinal de que o incessante trabalho cultural para uma sociedade sem racismo e discriminação tem valor, que é transmitido às gerações mais jovens, e que lança as bases para um mundo que esperamos seja mais justo e humano.
 

Ir para a Galeria de Fotos >>

VÍDEO



A memória não acaba. Muitos em Roma recordando 16 de Outubro de 1943 para dizer
A memória não acaba. Muitos em Roma recordando 16 de Outubro de 1943 para dizer
A memória não acaba. Muitos em Roma recordando 16 de Outubro de 1943 para dizer