news

Racismo nos EUA. Impagliazzo: longa e necessária batalha, mas não violenta. Entrevista no Vatican News

5 Junho 2020

RacismUnited States
Marco Impagliazzo

Compartilhe Em

O presidente da Comunidade de Sant'Egidio comentou o apelo do Papa na audiência de quarta-feira, um dia depois do assassinato de George Floyd. Aos nossos microfones, manifestou preocupação com uma sociedade que se está a desmembrar, mas afirmou confiar nos recursos do espírito democrático fundador dos Estados Unidos
 

Antonella Palermo – Cidade do Vaticano

Segundo as redes sociais americanas, mais de dez mil pessoas foram presas nos EUA desde os protestos pela morte do afro-americano George Floyd, que foi sufocado durante um acto de detenção em Minneapolis, em 25 de Maio, por um agente branco da polícia, na presença de três colegas seus. " Tenho o coração partido ao ver a violência nas ruas dos Estados Unidos e na cidade de Nova Iorque", afirmou o Secretário-Geral da ONU, Guterres: "As queixas devem ser ouvidas, mas devem ser expressas pacificamente, e as autoridades devem mostrar moderação na resposta às manifestações".
Mentre la Commissione per la Vita religiosa afro della Confederazione latinoamericana dei religiosi (Clar) esprime in un comunicato "unione fraterna con i fedeli afroamericani, oltre alla vicinanza alla famiglia di George Floyd e a una strenua condanna al razzismo, al pregiudizio e alla violenza", i vescovi americani ringraziano Papa Francesco per il "forte incoraggiamento pastorale e la garanzia di essere ricordati nella preghiera", espressi dal Pontefice in una telefonata a monsignor José H. Gomez, arcivescovo di Los Angeles e presidente della Conferenza episcopale degli Stati Uniti sul caso Floyd e sulla scia dei disordini che si è portato dietro.

Uma oração em Roma para a pacificação social nos EUA

Amanhã, sexta-feira, 5 de Junho, às 19 horas, haverá uma vigília de oração pela "coexistência pacífica" nos Estados Unidos. A iniciativa será promovida pela Comunidade de Sant'Egidio, na Basílica romana de Santa Maria in Trastevere, e será presidida pelo Cardeal Kevin Joseph Farrell, Prefeito do Departamento para os Leigos, a Família e a Vida. O evento será transmitido online em santegidio.org e na página do Facebook da Comunidade de Sant’Egidio.

Impagliazzo: as palavras do Papa oferecem uma saída

Mas voltemos à audiência de ontem, no final da qual o Papa Francisco chamou "pecado" ao racismo e à violência das últimas noites de "autodestruição e automutilação". Na entrevista com a Rádio Vaticana, Marco Impagliazzo, presidente da Comunidade de Sant'Egidio, comenta estas palavras

R: - Estas são palavras muito importantes que realmente dão uma saída para esta situação bloqueada durante dias nos Estados Unidos. Ele falou fortemente do pecado do racismo. O racismo é um pecado e causa tantas vítimas, mas por outro lado não se pode responder com uma violência que - como disse o Papa Francisco - é auto-destrutiva e auto-mutiladora, da qual nada se ganha. Quero lembrar que a mobilização pacífica dos cidadãos americanos desde a Segunda Guerra Mundial até hoje alcançou grandes resultados no tema da luta contra a segregação racial. E foi esta mobilização pacífica - pense em Rosa Parks que começou uma batalha sobre o tema dos transportes e depois de um ano ganhou-a e muitas outras batalhas que foram ganhas - que levou o campeão Martin Luther King em 1964 a receber o Prémio Nobel da Paz. Acredito que estas palavras são a única forma possível de encontrar uma solução para uma situação que eu vejo fortemente bloqueada neste momento.

O Papa Francisco apelou a uma "reconciliação nacional". Estamos em presença de uma tal fragmentação, uma tal agitação que está a fragmentar uma sociedade já de si altamente compósita...

R. - É uma sociedade muito, muito dividida. Infelizmente, uma pregação do ódio também contra afro-americanos e latinos nos últimos anos por algumas franjas extremistas de supremacistas brancos, e também por uma certa política americana, infelizmente acendeu muitos fogos. Hoje é a questão de os apagar. Estou convencido de que a democracia americana sempre mostrou, desde que os Estados Unidos existem, que tem os recursos para superar tempos difíceis. É claro que este é um momento muito sério em que - como disse o ex-presidente Obama - devemos encontrar a força e as razões, não só para avançar, mas para mudar a situação. E ele deu uma das indicações: por exemplo, que os afro-americanos exerçam plenamente o seu direito de voto nas próximas eleições americanas. Estas são pequenas batalhas que podem ser ganhas democraticamente, embora eu me dê conta de que a questão do racismo na América - como diz o Papa - ainda é um pecado muito presente.

Porque é que o racismo sobrevive?

R. - É uma batalha que tem acontecido nos últimos 50 a 60 anos. Na história americana é algo quase recente. Martin Luther King foi morto em 1968; 52 anos não é muito tempo na história de uma nação, ainda mais se pensarmos que os Estados Unidos nasceram no final dos anos 1700. Até 1865 ainda havia escravidão, ela era legalizada. A laceração foi profunda, por isso a luta será longa, e deve ser feita com métodos democráticos e não violentos.

O chefe do Pentágono Mark Esper chamou ao assassinato de Floyd um "crime horrível" e argumentou que os policiais envolvidos deveriam ser " chamados a responder por este assassinato". É uma tragédia que já vimos repetida demasiadas vezes", disse ele, acrescentando que "o racismo é real na América, devemos fazer o nosso melhor para reconhecê-lo, enfrentá-lo e erradicá-lo". Como comenta estas declarações?

R. - Estas são declarações muito empenhativas que acolhemos com grande satisfação. É o reconhecimento de um mal, de um demónio que existe nos Estados Unidos que é o racismo, que levou à segregação e que leva a julgar a população afro-americana por outros critérios. Se você pensa que a grande maioria dos condenados à morte são afro-americanos, isso significa muito, e revela que afinal nem a justiça é a mesma para todos. Depois há a dramática questão da situação social e sanitária do país no auge da pandemia do coronavírus. A América não é um país como a Europa, onde existe um sistema de assistência que protege toda a população, mesmo que se possam fazer melhorias. A situação é muito grave, especialmente para os mais pobres e entre os mais pobres estão os afro-americanos. Muitas destas revoltas são também devidas a uma situação de saúde que é profundamente agravada pelo coronavírus.

Aqueles que protestam nestas formas dizem que se não recorrerem a estes meios, não estarão a ser escutados e a ter visibilidade...

R. - A atenção agora existe a nível mundial. Creio no caminho traçado por Martin Luther King e pelos seus muitos companheiros e companheiras - saliento o papel das mulheres na luta contra a discriminação que tem sido fundamental - e acrescentaria pelas Igrejas, especialmente as Igrejas Evangélicas, que têm insistido na dimensão da não-violência.