news

Na marcha até a são Pedro, o papa encoraja as "Escolas da Paz" da Comunidade. "Ide em frente!

1 Janeiro 2020 - ROMA, ITÁLIA

PeacePeace in All Lands

Testemunhos de jovens e refugiados que vêm dos países em guerra - Impagliazzo: "A paz deve sempre ser defendida porque é o futuro deste mundo"

Compartilhe Em

A pequena Elena Romeo levantou a voz para garantir a todos: “s novas gerações podem fazer e farão muito pela paz e pelo meio ambiente. Porque não gostamos do mundo como ele é ". É ela, 11 anos, quem abre o evento "Paz em todas as terras", promovido pela Comunidade de Sant'Egidio, que nesta manhã viu desfilar milhares de pessoas, jovens, adultos e idosos, italianos e "novos italianos" integrados no nosso país, de Castel Sant'Angelo a São Pedro para escutar o Angelus do Papa e apoiar a sua mensagem no 53° Dia Mundial da Paz.

O Papa dirigiu uma saudação carinhosa aos participantes da marcha, lembrando que as mesmas manifestações ocorreram não apenas em Roma, mas também "em numerosas cidades do mundo". Então ele acrescentou de improviso: “Eles também têm uma 'escola da paz'. Ide em frente”, referindo-se às Escolas da Paz de Sant’Egidio, lugares onde, em muitas cidades de diferentes continentes, a Comunidade ajuda os meninos das periferias não apenas nas suas dificuldades escolares, mas também no crescimento na não-violência, no respeito das diferenças e na proteçãodo meio ambiente.

A tomar a palavra, depois de Elena, antes de começar a marcha, é Abdul Razak, 28 anos, somaliano com uma história dolorosa atrás dele. Nasceu quando a guerra no seu país já existia há dois anos. E até hoje ainda não terminou, como todos notamos dolorosamente com o ataque de alguns dias atrás em Mogadíscio, que matou quase cem pessoas. Aos 14 anos, partiu para uma viagem que deveria ser de salvação, mas que ficou presa no inferno da Líbia por anos e anos entre locais de detenção e tortura e depois nas mãos de traficantes de seres humanos. Finalmente, em Julho de 2017, a chegada na Itália: "Hoje falo seis idiomas e conheço muitas profissões. Duas palavras me acompanharam, ajudando-me a não desistir: esperança e paz. O que mais me impressionou na Itália é que aqui se pode andar em segurança, sem o risco de ser atacado. Fui ajudado por Sant'Egidio, mas agora com a Comunidade comecei a ajudar outras pessoas que precisam".

No final, o presidente de Sant’Egidio, Marco Impagliazzo, sublinhou a importância de uma mobilização importante, não apenas pelo número, mas pela presença de todas as gerações: “É um povo que juntos começa o ano sob a égide da paz" e que está pronto para defendê-la num mundo cheio de demasiadas contraposições: “A paz sempre deve ser defendida, caso contrário será esmagada pelos poderosos. Não devemos viver numa cultura de confronto. A paz é o futuro. Também estamos aqui em nome daqueles que sofrem com as muitas guerras deste mundo: a sede de paz deles deve ser ouvida. Cada um de nós pode fazer muito. Que a que começa seja uma década de paz".

Os nomes dos países em guerra, que desfilam no cortejo para a Praça de São Pedro, como Síria, Afeganistão, Somália, nos lembram o trabalho, tanto, que ainda há a ser feito. Mas um grande dístico, claramente visível sob a janela do papa, diz: “Tudo pode mudar”.


O vídeo da marcha "Paz em todas as terras" de 2020 em Roma