Liturgia dominical

Compartilhe Em

XXVIII do tempo comum


Primeira Leitura

Sabedoria 7, 7-11

Por isso pedi, e foi-me dada a inteligência;
supliquei, e veio a mim o espírito de sabedoria.

Preferi-a aos ceptros e aos tronos,
e, em comparação com ela, vi que não eram nada as riquezas.

Nem sequer a comparei às pedras preciosas,
pois o ouro todo, diante dela, é um pouco de areia,
e a prata, perante ela, será como lodo.

Amei-a mais que a saúde e a beleza,
e antes a quis ter a ela que a luz,
pois a sua claridade jamais tem ocaso.

Com ela me vieram todos os bens,
e nas suas mãos está uma riqueza incalculável.

Segunda Leitura

Hebreus 4, 12-13

Na verdade, a palavra de Deus é viva, eficaz e mais afiada que uma espada de dois gumes; penetra até à divisão da alma e do corpo, das articulações e das medulas, e discerne os sentimentos e intenções do coração. Não há nenhuma criatura oculta diante dele, mas todas as coisas estão a nu e a descoberto aos olhos daquele a quem devemos prestar contas.

Leitura do Evangelho

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

São Marcos 10, 17-30

Quando se punha a caminho, alguém correu para Ele e ajoelhou-se, perguntando: «Bom Mestre, que devo fazer para alcançar a vida eterna?» Jesus disse: «Porque me chamas bom? Ninguém é bom senão um só: Deus. Sabes os mandamentos: Não mates, não cometas adultério, não roubes, não levantes falso testemunho, não defraudes, honra teu pai e tua mãe.» Ele respondeu: «Mestre, tenho cumprido tudo isso desde a minha juventude.» Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele e disse: «Falta-te apenas uma coisa: vai, vende tudo o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu; depois, vem e segue-me.» Mas, ao ouvir tais palavras, ficou de semblante anuviado e retirou-se pesaroso, pois tinha muitos bens. Olhando em volta, Jesus disse aos discípulos: «Quão difícil é entrarem no Reino de Deus os que têm riquezas!» Os discípulos ficaram espantados com as suas palavras. Mas Jesus prosseguiu: «Filhos, como é difícil entrar no Reino de Deus! É mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha, do que um rico entrar no Reino de Deus.» Eles admiraram-se ainda mais e diziam uns aos outros: «Quem pode, então, salvar-se?» Fitando neles o olhar, Jesus disse-lhes: «Aos homens é impossível, mas a Deus não; pois a Deus tudo é possível.» Pedro começou a dizer-lhe: «Aqui estamos nós que deixámos tudo e te seguimos.» Jesus respondeu: «Em verdade vos digo: quem deixar casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos ou campos por minha causa e por causa do Evangelho, receberá cem vezes mais agora, no tempo presente, em casas, e irmãos, e irmãs, e mães, e filhos, e campos, juntamente com perseguições, e, no tempo futuro, a vida eterna.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

Homilia

O Evangelho mostra-nos Jesus que retoma o caminho em direcção de Jerusalém. É um convite dirigido também a nós para que nos deixemos envolver no caminho do crescimento espiritual. O homem de que fala o Evangelho de Marcos "corre" em direcção de Jesus. Tem pressa de O encontrar. E nisso é, deveras, exemplar em relação à nossa preguiça em seguirmos o Senhor. Esse homem chegando perto de Jesus, lança-se a Seus pés e faz-Lhe uma pergunta, verdadeiramente central na vida: "Bom Mestre, que devo fazer para herdar a vida eterna?". Aquele homem corre até Jesus e abre-se um diálogo. Jesus pergunta-lhe se conhece os mandamentos e a resposta é que os observou desde pequeno. Não é, decerto, um crente tíbio. Não sei quantos de nós poderiam dar a mesma resposta à pergunta de Jesus.
O evangelista anota: "Jesus olhou para ele com amor". A de Jesus, é sempre uma Palavra que vê, fixa o olhar com amor na vida dos homens. Também hoje Jesus dirige-se a nós e, com a mesma intensidade de amor diz-nos: "Vai, vende tudo, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem! Segue-Me!". O Evangelho pede sempre um empenho, uma decisão, uma resposta. O homem rico, quando ouviu essas palavras, abaixou a cabeça e afastou-se com a tristeza no coração. O evangelista conclui amargamente dizendo a razão: "porque era muito rico". Na verdade, também Jesus ficou triste, e muito; perdia um amigo, perdia um discípulo; e perderam também todas as pessoas a quem aquele homem teria podido anunciar a alegria do Evangelho.
Jesus pede-nos para colocarmos Deus acima de todas as coisas, até mesmo dos bens que possuímos e de considerar os pobres como nossos irmãos para quem somos devedores de amor e de ajuda. O que o Senhor nos pede parece-se com uma renúncia e, em parte, assim o é, mas, sobretudo, é uma grande sabedoria de vida. A resposta de Jesus à afirmação que Pedro fez em nome dos discípulos explica concretamente as consequências da sabedoria evangélica: quem abandona tudo para seguir Jesus receberá nesta vida cem vezes mais e, depois da morte, a vida eterna. Às vezes, pensa-se que a vida evangélica seja apenas privação. Assim pensou também o homem rico. Na verdade, a escolha de seguir o Senhor acima de tudo é mesmo muito "conveniente", não só para salvar a própria alma no futuro, mas também para apreciar "cem vezes" mais a vida nesta Terra. Quem põe Deus em primeiro lugar na própria vida entra na Sua "família" onde encontra irmãos e irmãs para amar, pais e mães para honrar, casas e campos onde trabalhar.