Oração do Dia do Senhor

Compartilhe Em

XXVI do tempo comum


Primeira Leitura

Ezequiel 18,25-28

Porém, vós dizeis: ‘O modo de proceder do Senhor não é justo.’ Escutai, pois, casa de Israel: Então é o meu modo de agir que não é justo? Ou é o vosso que o não é ? Se o justo se afasta da sua justiça para praticar o mal e morre por causa disto, é por causa do mal que praticou que ele morrerá. Se o pecador se afasta do pecado que cometeu para praticar o direito e a justiça, ele merece viver. Se ele se afasta dos pecados que cometeu, viverá certamente, não morrerá.

Salmo responsorial

Salmo 24 (25)

 De David.
Para ti, Senhor, elevo o meu espírito.

 Meu Deus, em ti confio: não seja confundido,
nem escarneçam de mim os inimigos.

Pois os que esperam em ti não serão confundidos;
mas sejam confundidos os que atraiçoam sem motivo.

Mostra-me, Senhor, os teus caminhos
e ensina-me as tuas veredas.

 Dirige-me na tua verdade e ensina-me,
porque Tu és o Deus meu salvador.
Em ti confio sempre.

 Lembra-te, Senhor, da tua compaixão e do teu amor,
pois eles existem desde sempre.

Não recordes os meus pecados de juventude e os meus delitos.
Lembra-te de mim, Senhor,
pelo teu amor e pela tua bondade.

 O Senhor é bom e justo;
por isso ensina o caminho aos pecadores,

 guia os humildes na justiça
e dá-lhes a conhecer o seu caminho.

Todos os caminhos do Senhor são amor e fidelidade,
para os que guardam a sua aliança e os seus preceitos.

 Por amor do teu nome, Senhor,
perdoa o meu pecado, pois é muito grande.

 Quem é o homem que teme ao Senhor?
Ele lhe ensinará o caminho a seguir.

A sua vida decorrerá feliz,
e os seus descendentes possuirão a terra.

 O Senhor comunica os seus segredos aos que o temem
e dá-lhes a conhecer a sua aliança.

Os meus olhos estão sempre postos no Senhor,
porque Ele tira os meus pés da armadilha.

Volta-te para mim, Senhor, e tem compaixão,
porque me encontro só e abandonado.

 Afasta as angústias do meu coração
e livra-me das minhas angústias.

 Vê a minha miséria e o meu sofrimento
e perdoa todos os meus pecados.

 Vê como são numerosos os meus inimigos
e como sentem por mim um ódio implacável.

 Guarda a minha vida e salva-me.
Eu confio em ti, não me deixes ficar envergonhado.

 Que a honestidade e a rectidão me protejam,
pois em ti confiei.

 Ó Deus, livra Israel
de todas as suas angústias!

Segunda Leitura

Filipenses 2,1-11

Se tem algum valor uma exortação em nome de Cristo, ou um conforto afectuoso, ou uma solidariedade no Espírito, ou algum afecto e compaixão, então fazei com que seja completa a minha alegria: procurai ter os mesmos sentimentos, assumindo o mesmo amor, unidos numa só alma, tendo um só sentimento; nada façais por ambição, nem por vaidade; mas, com humildade, considerai os outros superiores a vós próprios, não tendo cada um em mira os próprios interesses, mas todos e cada um exactamente os interesses dos outros. Tende entre vós os mesmos sentimentos, que estão em Cristo Jesus: Ele, que é de condição divina,
não considerou como uma usurpação ser igual a Deus;

no entanto, esvaziou-se a si mesmo,
tomando a condição de servo.
Tornando-se semelhante aos homens
e sendo, ao manifestar-se, identificado como homem,

rebaixou-se a si mesmo,
tornando-se obediente até à morte
e morte de cruz.

Por isso mesmo é que Deus o elevou acima de tudo
e lhe concedeu o nome
que está acima de todo o nome,

para que, ao nome de Jesus,
se dobrem todos os joelhos,
os dos seres que estão no céu,
na terra e debaixo da terra;

  e toda a língua proclame:
"Jesus Cristo é o Senhor!",
para glória de Deus Pai.

Leitura do Evangelho

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

São Mateus 21,28-32

«Que vos parece? Um homem tinha dois filhos. Dirigindo-se ao primeiro, disse-lhe: ‘Filho, vai hoje trabalhar na vinha.’ Mas ele respondeu: ‘Não quero.’ Mais tarde, porém, arrependeu-se e foi. Dirigindo-se ao segundo, falou-lhe do mesmo modo e ele respondeu: ‘Vou sim, senhor.’ Mas não foi. Qual dos dois fez a vontade ao pai?» Responderam eles: «O primeiro.»
Jesus disse-lhes: «Em verdade vos digo: Os cobradores de impostos e as meretrizes vão preceder-vos no Reino de Deus.

João veio até vós, ensinando-vos o caminho da justiça, e não acreditastes nele; mas os cobradores de impostos e as meretrizes acreditaram nele. E vós, nem depois de verdes isto, vos arrependestes para acreditar nele.»

 

Aleluia aleluia, aleluia

Ontem fui sepultado com Cristo,
hoje ressuscito convosco que ressuscitastes;
convosco fui crucificado,
recordai-vos de mim, Senhor, no vosso Reino.

Aleluia aleluia, aleluia

Homilia

"Os cobradores de impostos e as prostitutas vão entrar antes de vós no Reino do Céu", disse Jesus aos fariseus que O escutavam no Templo. Mas qual é a censura que Jesus faz aos fariseus? Antes de mais, ressalta a distância entre o "dizer" deles e o "fazer" deles. E exemplifica-o narrando uma curta parábola. Um homem tinha dois filhos; aos dois pede para irem trabalhar na vinha. O primeiro não quer ir mas, depois, muda de ideias e vai. O segundo, pelo contrário, primeiro diz que sim mas, depois, muda de ideias e não vai. A este ponto, Jesus pergunta aos fariseus: "Qual dos dois fez a vontade do pai?". Eles não puderam responder senão: "o primeiro". Várias vezes no Evangelho repete-se a exortação que só as palavras não bastam; o que conta é "fazer a vontade de Deus". Só as palavras não salvam, é necessário pô-las em prática. O exemplo do primeiro filho é eficaz: ele cumpre a vontade do pai não com palavras, que são discordantes com a vontade, mas com os factos. O primeiro considera-se filho e arrepende-se porque encara aquela vinha também como sendo sua, o segundo, por sua vez, chama o pai de "Senhor", mas considera-se como um estranho. Jesus diz: "Nem todo aquele que Me diz: Senhor, Senhor, entrará no Reino do Céu. Só entrará aquele que põe em prática a vontade do meu Pai que está no céu" (Mt 7, 21). Jesus sabe que um pecador pode sempre mudar, enquanto que aquele que se considera justo, muito dificilmente acolherá a chamada à conversão. Ele tira o exemplo sobre quem escuta ou não a pregação de João Baptista: os fariseus recusaram-na, enquanto que os pecadores se converteram. Com efeito, eles não se contentaram em escutar, mas perguntaram-lhe: "Que devemos fazer?" (Lc 3, 10-14); e puseram em prática o que o pregador lhes dizia para fazer. O exemplo de Francisco de Assis que festejaremos daqui a uns dias, é o oposto da religiosidade farisaica. Ele foi discípulo no pleno sentido da palavra: escutou o Evangelho e pô-l'O imediatamente em prática, seguindo-O à letra. Não, não foi um herói. Foi um homem que se deixou amar pelo Senhor até ao fundo e que, por isso, O seguiu sem opor resistência. Deixou tudo porque encontrou alguém que o amava mais do que a si mesmo. Também é assim para nós, pelo menos, por parte do Senhor. Jesus amou-nos mais do que nós mesmos. Francisco de Assis reconheceu-o. Nós temos mais dificuldades, porque os nossos olhos ainda estão cheios de nós mesmos e dos nossos problemas. Dirijamos o nosso olhar para o Senhor e deixemo-nos amar por Ele.