Oração pelos pobres

Compartilhe Em


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Eis o Evangelho dos pobres, a libertação dos prisioneiros,
a vista dos cegos, a libertação dos oprimidos

Aleluia aleluia, aleluia

II São Pedro 3,11-15.17-18

Uma vez que todas as coisas serão assim destruídas, como deve ser santa a vossa vida e a vossa piedade, enquanto esperais e apressais a chegada do dia de Deus, quando os céus, a arder, se desintegrarem e os elementos do mundo, com o ardor do fogo, se derreterem! Nós, porém, segundo a sua promessa, esperamos uns novos céus e uma nova terra, onde habite a justiça. Portanto, caríssimos, enquanto esperais estes acontecimentos, esmerai-vos para que Ele vos encontre imaculados, irrepreensíveis e em paz. Considerai que a paciência de Nosso Senhor é para nossa salvação.
Nesta ordem de ideias, escreveu-vos também o nosso caríssimo irmão Paulo, segundo a sabedoria que lhe foi concedida.

Vós, caríssimos, dado que sabeis isto de antemão, estai alerta para que não venhais a descair da vossa firmeza, arrastados pelo erro desses malvados. Crescei, antes, na graça e no conhecimento do Nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo. A Ele seja dada glória, agora e até ao dia eterno. Ámen.

 

Aleluia aleluia, aleluia

O Filho do Homem veio para servir
quem quiser ser grande, faça-se servo de todos

Aleluia aleluia, aleluia

Aos cristãos que vacilavam porque o regresso de Cristo tardava, o apóstolo recorda que Deus mede o tempo de maneira diferente da nossa. Pedro escreve: "Para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos são como um dia". Com isso, Pedro quer dizer que para cada geração cristã os últimos tempos são aqueles que ela está a viver. Cada crente vive, de facto, os seus últimos dias e é chamado a vivê-los com a responsabilidade pedida a cada discípulo do Evangelho. Por isso o apóstolo acrescenta: "O Senhor não retarda o cumprimento da sua promessa". De facto, todo aquele que recebe o Evangelho de Jesus no próprio coração já vive no fim dos tempos, isto é, na família dos salvados pelo Senhor que ressuscitou dos mortos, precisamente, para a nossa salvação. Na verdade, é certo que o dia da passagem final, aquele da morte, chegará para todos nós, e chegará "como um ladrão". Por isso, Pedro exorta a todos para terem sempre diante dos olhos o julgamento de Deus e conformarem a própria vida à vontade do Senhor. É através de uma vida evangélica que os cristãos atrasam a obra do mal e apressam a vinda do Reino. Participando na liturgia, vivendo na comunhão fraterna, servindo com amor os pobres, solicitando a solidariedade universal, os crentes não só antevêem e aguardam os "novos céus e a nova terra" de que fala o Apocalipse, mas vivem-nos desde já. O apóstolo exorta a não viver de maneira desordenada, como se o tempo do fim estivesse sempre longe. O tempo da entrada no Reino já começou. Por isso, o apóstolo exorta os cristãos a crescerem no amor e no conhecimento do Senhor Jesus, para que quando virmos o Seu rosto Ele nos encontre "sem mancha e sem culpa".