Oração com Maria, Mãe do Senhor

Compartilhe Em

Memória de São Filippo Neri (+1595), "apóstolo de Roma".


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

O Espírito Santo virá sobre ti
Aquele que nascer de ti será santo.

Aleluia aleluia, aleluia

Actos dos Apóstolos 20,17-27

De Mileto, Paulo mandou chamar os anciãos da igreja de Éfeso. Quando chegaram junto dele, disse-lhes:
«Sabeis como, desde o primeiro dia em que cheguei à Ásia, procedi sempre convosco.

Tenho servido o Senhor com toda a humildade e com lágrimas, no meio das provações, que as ciladas dos judeus me acarretaram.

Jamais recuei perante qualquer coisa que vos pudesse ser útil. Preguei e instruí-vos, tanto publicamente como nas vossas casas,

afirmando a judeus e gregos a necessidade de se converterem a Deus e de acreditarem em Nosso Senhor Jesus.

E agora, obedecendo ao Espírito, vou a Jerusalém, sem saber o que lá me espera;

só sei que, de cidade em cidade, o Espírito Santo me avisa de que me aguardam cadeias e tribulações.

Mas, a meus olhos, a vida não tem valor algum; basta-me poder concluir a minha carreira e cumprir a missão que recebi do Senhor Jesus, dando testemunho do Evangelho da graça de Deus.

Agora sei que não vereis mais o meu rosto, todos vós, no meio de quem passei, proclamando o Reino. Por isso, tomo-vos hoje por testemunhas de que estou limpo do sangue de todos, pois jamais recuei, quando era preciso anunciar-vos todos os desígnios de Deus.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Eis, Senhor, os vossos servos:
Faça-se em nós segundo a vossa palavra

Aleluia aleluia, aleluia

Depois de ter desembarcado em Mileto, o apóstolo manda chamar os "anciãos" da comunidade de Éfeso para que fossem ter com ele. O apóstolo quer despedir-se e deixar-lhes o seu "testamento pastoral", visto que passarão a ser eles os responsáveis da comunidade. E começa, recordando-lhes o seu próprio testemunho: "Vós bem sabeis de que maneira me comportei em relação a vós". O apóstolo está ciente que aqueles "anciãos" devem ser "o modelo para o rebanho". Paulo propõe-se como modelo de pastor recordando-lhes, como ele mesmo viveu nos três anos de ministério em Éfeso. E, numa só palavra, sintetiza o que significa ser pastor: "servo". Diz aos anciãos: "Vós bem sabeis de que maneira me comportei em relação a vós... servi o Senhor com toda a humildade, com lágrimas e no meio das provações". Paulo concebe, portanto, o seu ministério como "serviço ao Senhor". Deste modo Jesus indicou-nos o caminho, mesmo o da proclamação do Evangelho. Na verdade, a mansidão abre os corações e prepara-os para escutar o Evangelho e para irem ao encontro de Deus. Paulo revela aos anciãos de Éfeso que irá a Jerusalém, não por um seu capricho, mas porque "induzido pelo Espírito". Não sabe o que lhe acontecerá mas, no entanto, está ciente que o serviço do Senhor implica oposições e provas: fala de "tribulação" e acena também à morte. O "martírio" é essencial ao Evangelho. Albert Schweitzer, o célebre biblista protestante do século passado que foi viver em África num leprosário, escreveu: "Devemos tornarmo-nos capazes de sentir ainda em nós o que existe de heróico em Jesus... Só então é que o nosso cristianismo e o nosso conceito do mundo reencontrarão o heróico e serão vivificados". Ser "mártir", dizia Mons. Romero, significa "dar a própria vida" pelo Senhor e pelo próximo, não importa se com o sangue ou de outro modo. O que conta é darmo-nos totalmente para que o Evangelho seja anunciado.