Oração da vigília

Compartilhe Em

Memória dos Santos Cosme e Damião, mártires sírios (+303 ca.). A tradição recorda-os médicos que curavam gratuitamente os doentes. Memória particular dos que se dedicam à cura e tratamento dos doentes.


Leitura da Palavra de Deus

Aleluia aleluia, aleluia

Todo o que vive e crê em mim
não morrerá jamais.

Aleluia aleluia, aleluia

Eclesiastes 11,9-12,8

Jovem, regozija-te na tua mocidade
e alegra o teu coração na flor dos teus anos.
Segue os impulsos do teu coração
e o que agradar aos teus olhos,
mas sabe que, de tudo isso, Deus te pedirá contas.

Lança fora do teu coração a tristeza,
poupa o sofrimento ao teu corpo:
também a meninice e a juventude são ilusão.


Lembra-te do teu Criador nos dias da tua juventude,
antes que venham os dias maus
e cheguem os anos, dos quais dirás: «Não sinto neles prazer algum»;

antes que escureçam o Sol e a luz, a Lua e as estrelas,
e voltem as nuvens depois da chuva;

quando os guardas da tua casa começarem a tremer,
e os homens robustos, a vergar;
quando as mós deixarem de moer por serem poucas,
e se escurecer a vista dos que olham pela janela;

quando se fecham as portas da rua,
quando enfraquece a voz do moinho,
quando se acorda com o piar de um pássaro
e emudecem as canções.

Então, também haverá o medo das subidas,
e haverá sobressaltos no caminho, enquanto a amendoeira abre em flor,
o gafanhoto engorda, e a alcaparra perde as suas propriedades.
Então, o homem encaminha-se para a sua casa da eternidade,
e as carpideiras percorrem as ruas;

antes que se rompa o cordão de prata
e se quebre a bacia de oiro;
antes que se parta a bilha na fonte,
e se desenrole a roldana sobre a cisterna.

Então o pó voltará à terra de onde saiu
e o espírito voltará para Deus que o concedeu.

Ilusão das ilusões - disse Qohélet - tudo é ilusão.

 

Aleluia aleluia, aleluia

Se tu creres verás a glória de Deus
diz o Senhor.

Aleluia aleluia, aleluia

Coélet termina este pequeno livro que dirigiu aos jovens, com uma meditação sobre a "fugacidade da vida". Apresenta a juventude como a Primavera e a velhice como o Inverno quando deixarão de brilhar o Sol de dia e a Lua e as estrelas de noite; depois da chuva não virá logo a bonança, como depois dos temporais primaveris, mas outras nuvens. Depois do Inverno da velhice não haverá mais Primaveras; o Céu acaba. E compara a vida a uma casa, outrora cheia de vida e de alegria (é o tempo da juventude) e, depois, cada vez mais deserta e decadente. O abandono e o isolamento abater-se-ão, do mesmo modo, sobre a casa do rico onde também os guardas envelhecem e tremem e os senhores se curvarão sob o peso dos anos. Com uma série de imagens, o autor sagrado descreve o declino do corpo. As forças do corpo abandonam progressivamente o velho. E chega o momento em que o homem já está a caminho da sua "morada eterna" (12, 5). E sobre ele, começa-se a chorar. Com a morte, rompe-se o fio de prata, parte-se a taça de ouro, rebenta-se a roldana no poço: a lâmpada apagada e a água do poço que já não é retirada, são símbolos da vida. Este cântico triste e melancólico sobre a velhice não é o resultado do fracasso, quanto o reconhecer-se "criatura de Deus" sem nenhum complexo. O pensamento da morte ensina a viver sem medo a própria condição de fugacidade e limitação. O homem sábio reconhecendo o próprio limite e a própria fragilidade, encontra a liberdade de desfrutar a vida como uma dádiva do Criador. E confia-a a Ele quando chega ao fim do seu caminho. Ele acolhê-lo-á entre as Suas mãos.