Terça-feira santa

Compartilhe Em

Terça-feira Santa
Memória dos novos mártires. Memória de Tikhon, patriarca de Moscovo e de toda a Rússia, morto em 1925, e com ele todos os confessores e os mártires da Igreja ortodoxa russa durante o regime comunista. Memória do genocídio de 1994 no Ruanda.


Leitura da Palavra de Deus

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Vós sois uma geração escolhida
um sacerdócio real, uma nação santa,
povo resgatado por Deus
para proclamar as suas maravilhas.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

São João 13,21-33.36-38

Tendo dito isto, Jesus perturbou-se interiormente e declarou: «Em verdade, em verdade vos digo que um de vós me há-de entregar!» Os discípulos olhavam uns para os outros, sem saberem a quem se referia. Um dos discípulos, aquele que Jesus amava, estava à mesa reclinado no seu peito. Simão Pedro fez-lhe sinal para que lhe perguntasse a quem se referia. Então ele, apoiando-se naturalmente sobre o peito de Jesus, perguntou: «Senhor, quem é?» Jesus respondeu: «É aquele a quem Eu der o bocado de pão ensopado.» E molhando o bocado de pão, deu-o a Judas, filho de Simão Iscariotes. E, logo após o bocado, entrou nele Satanás. Jesus disse-lhe, então: «O que tens a fazer fá-lo depressa.» Nenhum dos que estavam com Ele à mesa entendeu, porém, com que fim lho dissera. Alguns pensavam que, como Judas tinha a bolsa, Jesus lhe tinha dito: ‘Compra o que precisamos para a Festa’, ou que desse alguma coisa aos pobres. Tendo tomado o bocado de pão, saiu logo. Fazia-se noite. Depois de Judas ter saído, Jesus disse: «Agora é que se revela a glória do Filho do Homem e assim se revela nele a glória de Deus. E, se Deus revela nele a sua glória, também o próprio Deus revelará a glória do Filho do Homem, e há-de revelá-la muito em breve.» «Filhinhos, já pouco tempo vou estar convosco. Haveis de me procurar, e, assim como Eu disse aos judeus: ‘Para onde Eu for vós não podereis ir’, também agora o digo a vós. Disse-lhe Simão Pedro: «Senhor, para onde vais?» Jesus respondeu-lhe: «Para onde Eu vou, tu não me podes seguir por agora; hás-de seguir-me mais tarde.» Disse-lhe Pedro: «Senhor, porque não posso seguir-te agora? Eu daria a vida por ti!» Replicou Jesus: «Darias a vida por mim? Em verdade, em verdade te digo: não cantará o galo, antes de me teres negado três vezes!»


 

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Vós sereis santos,
porque Eu sou santo, diz o Senhor.

Louvor a Vós, Ó Senhor, Rei de eterna glória

Jesus sabe bem que a Sua "hora", a da morte e ressurreição, está próxima. No Seu íntimo sucedem-se sentimentos até mesmo contraditórios: não quer morrer, mas também não quer fugir. A hora da Sua "partida" deste mundo para o Pai chegou: está para deixar este mundo. Mas, o que será daquele pequeno grupo de discípulos que Ele reuniu, cuidou, amou, ensinou? Continuará junto? Jesus sabe que Judas está para O trair. A este discípulo não importa que Jesus Se tenha abaixado para lhe lavar os pés. Com aqueles pés lavados, tocados e provavelmente beijados por Jesus, Judas está para sair e trai-l'O. Com uma inexprimível tristeza no coração, Jesus diz a todos: "Um de vós vai trair-Me". A surpresa foi geral. Não é suficiente estar fisicamente ao lado de Jesus, o que conta é a proximidade do coração e a adesão ao Seu projecto de salvação. Também nós podemos viver na comunidade dos discípulos, seguir os ritmos da vida de crente, mas se não houver a adesão do coração à Sua Palavra, se não praticarmos concretamente o amor para com os mais pobres, se não houver comunhão com os irmãos, se não houver um compromisso em prol de um mundo de justiça e de paz, o nosso coração, aos poucos, afastar-se-á, a nossa mente, aos poucos, ofuscar-se-á e deixaremos de compreender o Seu sonho de amor. Obviamente, à medida que se ofusca o rosto de Jesus, cresce cada vez mais o nosso "ego". O que era amor para Jesus transforma-se em culto por nós mesmos e pelas nossas coisas. E, naturalmente, escorrega-se em direcção da traição. É no nosso coração que se trava a batalha entre o bem e o mal, entre o amor e a desconfiança. E não há possíveis compromissos. Foi o que aconteceu com Judas. Nestes dias, Jesus, mais do que nos pedir para O servirmos, pede-nos para estarmos ao lado d'Ele, para O acompanharmos, para não O deixarmos sozinho.